04/01/2015

ARTESÃO


para fazer a vida
declaro facas ao canto
e trespasso o osso
da cara fortuna  

para fazer a vida
ergo-me ferro e halo
vertigem e deleite
nos caules da morte 

para fazer a vida
abro fendas no tempo
entalho-me o inefável
áulico com o vário
Postar um comentário