04/01/2015

GERÚNDIO


 
que ponta o fio de se perder
me aponta outras tramas? 

guardo-me nos agasalhos da noite
nas dobras dos guardanapos
sobre mesas amanhecendo
serás meu último gerúndio?
viver é sempre gerúndio 

me procuram as mãos
de alguma crença sem sol
almas de gerânio e girassóis
algo de vida para e se desfia
em lutas esguichadas nos muros 

inaugurando-me
Postar um comentário