26/08/2015

COLOSSO


lava agora teu osso
da alma até o pescoço                               
que o amor é horto
de um desejo cardo
lava teu osso e te depura
a carne ainda  é caça
de um prazer hirto
na fera que preparas
lava teu osso como fosses
água rasa e calabouço
e te escorre flácida
pelas coxas frias da vida
lava teu osso que resta
ao colosso dessa festa
logo teu mundo passa
nada fica nem te retrata
Postar um comentário