26/09/2015

HEBDOMADÁRIO


domingo
decomponho-me em bocejos e vagares
me amo mais e fico comigo
segunda-feira
te odeio de amor e nem te vejo sair
parece que tudo acinzela dentro
terça-feira
penso em te querer por uns séculos
mas o dia tritura a carne dos sonhos
quarta-feira
discuto política, amenidades e desejo matar
chego tarde, antes do pão depois sol
quinta-feira
um pássaro me adentra, a lua se enrudece
escrevo este poema, o tempo não me para
sexta-feira
tudo se depreende, vou embora de mim
não sei se vivo ou se morres com a noite
sábado
é como se tudo fosse o que não é e deveria
traço planos e curvas, a vida ao redor
Postar um comentário