22/02/2016

DÉDALOS


céu incorpóreo, desses homens cálidos
cheios de certezas nos dedos das mãos
velozes em seus cavalos de razão e sordidez
adestram os dédalos do quinto cavaleiro
a quem se paga com pragas da existência
nossos mais doces infernos arrogo
como se bebe e cospe o intolerável
dos amores e das resignações usuais
Postar um comentário