07/05/2016

À DOCE VIDA


açucaras a vida, mas ainda não sabes
como as plumas que decoram a razão
perdem a cor na morte lenta dos dias
sob a espessa cortina da tua ilusão;
e se ao te contemplar, ó vida
afasto por segundos tua mão veloz
distingo esse palco onde encenas
o afã dos que te acreditam plena
e em teus pés regam flores pela graça
de se sentirem algo quando nada ter
além do vento frio de tua beleza
rasgando o véu sobre a feliz carcaça
Postar um comentário