29/07/2016

AMORADÁVIA


ficou em mim largo o teu rastro
teu susto pálido no meu rosto
esse gosto na língua de amoradávia
se era o corpo tua melhor dádiva
como se dão a luz e o crepúsculo

ficou em mim o teu músculo
contraído no busto íncubo da saudade
sem o gasto tempo de amoradávia
nas noites sobejadas pelo chão do quarto
minguante onde enterramos nossas luas

ficou em mim o teu hálito baço
na carnadura amolecida das manhãs
como se a lâmina de nós posta em amoradávia
restasse de todas as tentações no entalhe
secreto que fazemos por dentro de nós
Postar um comentário