06/05/2017

O CAVALEIRO



no quarto luxuoso das palavras
dormem sonhos, um copo de sangue
e teu último nome
se não sei mais do canto
enredo árias rudes de alguma paixão
cavaleiro das noites sem rosto
me queres mais corte da faca que fui,
com as agulhas do amor costuras mágoas
por isso cavalgo os atalhos do teu rumo
e não te sigo, nem me prossegues
Postar um comentário