01/07/2017

CARNE DE PESCOÇO



quero palavras argilosas
versos de pedra e cal
qual substância em bronze
façam o sonho mais metal
aos desencantados e quejandos
quero palavras ósseas
como a dura carne de pescoço
façam do verso visgo e caroço
a crescer por dentro da existência
ferrosa de nossa condição
num delírio de alma e alvoroço
Postar um comentário